Livros

Eucalyptus no Brasil - Zoneamento Climático e Guia para Identificação

FLORES, Thiago Bevilacqua; ALVARES, Clayton Alcarde; SOUZA, Vinicius Castro; STAPE, José Luiz
978-85-89142-07-6

Este guia tem como objetivo servir de ferramenta de campo ao produtor rural e urbanistas para identificação das principais espécies de Eucalyptus cultivadas no Brasil. O livro traz ainda informações relevantes a pesquisadores e profissionais florestais sobre as necessidades climáticas das espécies na forma de gráficos, tabelas e mapas. Uma chave de identificação, com descrições morfológicas e comentários taxonômicos, propicia segura identificação das espécies, apoiada por pranchas fotográficas de folhas, flores, frutos, sementes, mudas, madeira, tronco e casca. No total, mais de 500 ilustrações e mais de 50 mapas são apresentados para as 47 espécies tratadas neste guia.

ISBN: 978-85-89142-07-6


Guia de plântulas e sementes da Mata Atlântica do estado de São Paulo

FRIGIERI, Felipe Furtado; IWANICKI, Natasha Sant Anna; GANDARA, Flávio Bertin; FERRAZ, Elza Martins; ROMÃO, Gerson Oliveira; COLETTI, Guilherme Furlan; SOUZA, Vinícius Castro; MORENO, Maria Andréia
978-85-89142-06-9

Há muito tempo atrás no meio de uma exuberante Mata Atlântica, um indiozinho pergunta: Pai onde fica o coração da floresta? O pai a princípio fica sem resposta, mas ao pisar em um fruto de jatobá, já corroído pelo tempo, mostra a seu filho as sementes daquela árvore majestosa, compartilhadas dentro do fruto e como em um filme, plântulas de jatobá passam a bailar aos olhos do menino. O pai vira-se para seu filho e lhe diz: quando conhecer as sementes, as plântulas e as árvores jovens de uma floresta encontrará dentro de si o seu coração e nunca mais se separará dele, pois são as crianças da floresta que garantem a sua perpetuação e conhecê-las é incorporar dentro de si o Espírito da Floresta. Desse modo, esse guia de plântulas e sementes de espécies arbóreas da Mata Atlântica é uma obra  indispensável, feita por especialistas, que dedicaram parte de suas vidas a ler, observar, coletar e organizar um conhecimento fundamental, para que a sociedade como um todo, possa entender a infância da Mata Atlântica, que é a formação florestal mais fascinante que ocorre no Estado de São Paulo.

ISBN: 978-85-89142-06-9

Arquivo(s):

Colheita e pós-colheita de olerícolas

KLUGE, Ricardo Alfredo; PESSOA, Cleonice de Oliveira; TEZOTO-ULIANA, Jaqueline Visioni; DE PAULA, Juliana Tauffer; BERNO, Natália Dalloca; DA SILVA, Paula Porelli Moreira
978-85-7565-122-4

O consumo de hortaliças vem crescendo ano a ano devido ao fato de esses produtos serem recomendados para a prevenção de vários problemas de saúde que afetam os brasileiros, como as doenças do aparelho circulatório, acidente vascular cerebral (AVC) e diversos tipos de câncer. O excesso de peso e a obesidade, as principais causa dessas anomalias atingem mais de 50% dos brasileiros, tornando-se um caso de saúde pública a ser combatido.

Nas situações mencionadas, o consumo de hortaliças representa um importante aliado para a melhoria da saúde. O Brasil produz uma infinidade de hortaliças, todas elas possuindo um ou mais fatores nutricionais importantes para o ser humano. Infelizmente, o Brasil é um dos que mais perde em pós-colheita, podendo atingir até 30% do volume produzido.

A fim de disponibilizar as hortaliças para a produção e reduzir as perdas, os processos de produção devem ser otimizados, bem como os aspectos ligados à colheita de e à pós-colheita.

Esta cartilha tem como objetivo tratar dos mais importantes aspectos relacionados à colheita e à pós-colheita das principais hortaliças produzidas no Brasil. Procuramos, com esse material, passar informações necessárias para obter produtos de qualidade e com maior durabilidade em pós-colheita.

ISBN: 978-85-7565-122-4


Compendium of Bioenergy Plants: Sugarcane

LAM, Eric; CARRER, Helaine; SILVA, Jorge A.; KOLE, Chittaranjan
978-1-4987-4338-9

The 21st Century will be a pivotal one for human evolution as a species. While the previous 100 years witnessed two World Wars and the escalating power of human's destructive capabilities that culminated in nuclear weapon proliferation, the present century has brought us face-to-face with the consequences of human ingenuity. While we have averted rash actions during the Cold War that could have led to mass destruction by nuclear weapons, the rapid advances in our technologies that tap the resources of this planet ever more efficiently and rapidly is changing our global systems at an unprecedented scale. Although massive changes to earth's systems have been caused by life forms before, such as the production of oxygen in the atmosphere after the appearance of photo-oxygenic organisms, it has never occurred at a rate similar to what has been happening during the last two centuries. Two interrelated factors that helped to drive the massive changes in climate that are now widely recognized by the scientific community are sustained increase in global population as well as their economic wealth, and the transition to fossil fuels as the primary energy sources to power human societies across the globe. A quantifiable result of these factors is a steady rise in greenhouse gases, mainly carbon dioxide, in our atmosphere, which directly contribute to global warming. The negative impacts of these factors on our planet are most obvious in drastic swings in weather patterns with steady increase in ocean temperature, rapid rise of sea levels from melting of glaciers worldwide, and accelerated loss of species estimated to be 100 fold faster than 2 centuries ago.

With the recognition that fossil fuels are not inexhaustible and that their massive uses has severe consequences on the global climate systems, the beginning of the 21st Century saw a surge of interest on research and deployment of various renewable energy options. Success of at least some of these potential candidates to replace a significant portion of the global energy portfolio would raise hope that we may be able to mitigate the threat of global Climate Change by adopting new sources of renewable energy and fuels.

Currently, the most abundant energy that can be readily tapped on earth is light from the sun. Compared to global energy consumption rate, the rate of energy equivalent from solar irradiation reaching the earth is about 10,000 times. Thus, less than one hour of sunlight will be able to power all of our energy needs in a year if the energy from that irradiation can be captured efficiently. While advances in photovoltaic devices have steadily been improving, we believe that diversifying some of our existing agriculture systems toward renewable energy and fuel production can replace a significant percentage of our fossil fuel needs. This Compendium of Energy Crops endeavor to contribute to this effort by providing a comprehensive collection of papers from experts that are working in the frontline to facilitate the rapid optimization of various crop plants as feedstocks for fuel and energy production. This volume focuses on sugarcane, arguably the current energy crop that has the most significant impact on mitigating greenhouse gas footprint from energy consumption. The energy output to input ratio for sugarcane bioethanol has been estimated to be 8 to 10, while that for corn is currently around 1.4 as a comparison. With steady research and development over the past 50 years, sugarcane as an energy crop has been steadily improved through breeding approaches that resulted in varieties with higher sugar content, more resistant to diseases, and more optimal physical structure for easier harvesting and processing. The parallel development of Flex-fuel engine technology also improved consumer acceptance of bioethanol as an alternative to gasoline, especially in Brazil where government incentives and policies have played key roles in the success of their biofuel economy. 

The opening chapter by Carneiro and colleagues provides a detailed description of the origin, genetic diversity and historical aspects of sugarcane and its domestication history from past to present. It provides a comprehensive account of all the basic information on sugarcane as a crop plant and its relation to global agriculture. Park and da Silva follow with the second chapter that describes in depth the current challenges in genetic improvement of sugarcane through hybridization with other related grasses. The challenges and perspectives described by the authors in this breeding approach would be very useful for readers who are interested in the development of new varieties of sugarcane with improved traits in stress tolerance and growth properties. While sugar that can readily be extracted from sugarcane has been used to produce bioethanol fuel, the remaining biomass composed of leaves and tops, usually left in the field, and the left¬over stalks after crushing at the mill, called bagasse, is rich in cellulosic material that can also be converted to fuel with additional processing. To optimize this so-called second generation biofuel production from leaves and bagasse, knowledge of the sugarcane cell wall's chemistry and structure would be essential. Buckeridge and his coauthors provided an authoritative description of the complex composition and properties of the cell wall of sugarcane. The narrative especially emphasizes on the important factors that would need to be considered for optimal strategies to hydrolyze the cell wall components of sugarcane. Itwill serve as an important guide to readers who want to increase the amount ofbiofuel that can be produced from harvested biomass by more complete usage of all the energy-storage components that it contains. Inaddition to technology improvement for feedstock production and processing, it is also important to understand the economic forces in the marketplace that can determine the viability of the different products that can be produced from a crop such as sugarcane. To this end, Ribera and Bryant provide a concise analysis of the various government instruments in the United States that have created an environment that is in favor of sugar production rather than bioethanol. Without drastic changes in the tariff and other financial programs that protect the sugar industry in the U.s. market, sugarcane in the U.S. will be unlikely to be used for bioethanol. This chapter thus explains why in spite of the existence of large sugarcane production capacity in the U.s., bioethanol is chiefly, if not entirely, produced from corn starch. Looking toward the future demand that would need to be satisfied if renewable biofuels are to replace a major portion of the current fossil fuel production, traditional breeding strategies would be too slow to generate new elite varieties to improve on the quality and production reliability of sugarcane. In order to complement this approach, Barboza and Carrer discuss the technology of genetic transformation of sugarcane in terms of its current state-of-the-art as well as future areas for improvements. The authors provided a detailed description of the methodology, the successful traits that have been introduced into sugarcane so far in the past decade, and the new approaches that may overcome previous pitfalls and limitations. It should serve as a useful reference for new research or commercial groups who desire to use this technology to characterize genes and their associated traits in sugarcane and to develop varieties with novel phenotypes. To finish with our story on sugarcane and its relationship with human societies, it is important to bear in mind the historical setting in which it has been domesticated. In Brazil and elsewhere in the world, sugarcane plantations traditionally employed very low income sectors of the population and in earlier times, through slaves that worked under their owners. As the farming of sugarcane becomes more mechanized and health concerns dictated dramatic changes in the harvesting practice, major shifts in the labor-owner relationship has to be managed appropriately in order to make benefits to both. Moraes and Oliveira made an in-depth discussion of the past practice and current reforms that are taking place in the labor and societies that have close relationship to sugarcane and bioethanol production in Brazil. The unfolding story serves as a reminder of the complexity in implementing change in a well-established industry and its potential harm as well as benefits to the social dimensions, depending on how well this change is being managed. 

In assembling this volume together, we hope that it can reach a wide audience to provide them with a comprehensive appreciation of the potential for this remarkable crop plant, its current impact on the fledgling renewable energy sector, and the promise that it holds to help build a more sustainable biofuel industry.

ISBN: 978-1-4987-4338-9


Guia ilustrado para identificação das plantas da Mata Atlântica: Legado das Águas - reserva Votorantim

FLORES, Thiago Bevilacqua; COLLETTA, Gabriel Dalla; SOUZA, Vinícius Castro; IVANAUSKAS, Natalia Macedo; TAMASHIRO, Jorge Yoshio; RODRIGUES, Ricardo Ribeiro
978-85-7975-204-9

Este livro tem como objetivo servir de guia para identificação de espécies vegetais ocorrentes na Floresta Ombrófila Densa, tendo como cenário o Legado das Águas - Reserva Votorantim, uma das maiores propriedades particulares voltadas para a conservação da Mata Atlântica, com 31 mil hectares.

As espécies aqui apresentadas foram amostradas durante três expedições realizadas na área por uma equipe de seis pesquisadores vinculados à Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e ao Instituto Florestal (IF), acompanhados por 25alunos de pós-graduaçãodas duas primeiras instituições, que estavam inscritos na disciplina "Taxonomia de Campo", coordenada pelos Profs. Drs. Ricardo Ribeiro Rodrigues e Vinícius Castro Souza, com a colaboração de Dr. Alexandre Salino, Dra. Natália M. Ivanauskas e Me. Jorge Yoshio Tamashiro.

A maior parte das coletas foi realizada durante a expedição de 13 dias (de 25 de março a 6 de abril de 2013) para coleta e identificação preliminar de material botânico no campo. Essa etapa foi complementada com um período de 30 dias no Laboratório de Sistemática do Departamento de Ciências Biológicas da ESALQ/USP e do Departamento de Botânica da UNICAMP, onde as identificações preliminares foram confirmadas por meio de uso de bibliografia especializada, comparação com material de herbário e consulta a especialistas. Outras duas expedições à área, com duração de cerca de cinco dias cada uma, foram realizadas para a obtenção de imagens fotográficas de plantas em floração e/ou frutificação. Considerando todas as expedições, foram coletadas cerca de 2 mil amostras de plantas, representando 768 espécies de plantas vasculares, grande parte destas apresentadas neste guia.

Um país com tamanha biodiversidade como o Brasil precisa de ferramentas para facilitar a identificação de plantas. Nesse sentido, esperamos ter contribuído para que isso ocorra mais facilmente, o que permitirá maior agilidade e qualidade dos diagnósticos ambientais.

ISBN: 978-85-7975-204-9

Arquivo(s):

Morfologia de sistemas subterrâneos de plantas

APPEZZATO DA GLORIA, Beatriz
978-85-66115-56-7

Desde que iniciei, em 1986, os estudos sobre morfologia de sistemas subterrâneos, senti a necessidade de reunir as informações em uma publicação.

O capítulo 2 traz um Histórico do conhecimento e, além do estudo pioneiro de Lindman, são relatadas as principais fases de estudo sobre sistemas subterrâneos. Convém ressaltar que essas fases não são estanques, pois os estudos têm continuidade até os dias de hoje.

Na fase I, que corresponde à década de 1940, iniciaram-se os estudos sobre morfologia externa dos sistemas subterrâneos de plantas do Cerrado. Na fase II na década de 1960, acrescentam-se àqueles estudos as análises sobre ontogênese e fatores de formação, com ênfase nos xilopódios. A fase seguinte inicia-se em 1969, com o estudo pioneiro da Profa. Nanuza Luiza de Menezes, abordando a anatomia do xilopódio de <i>Pfaffia jubata</i>. Seguem-se a este trabalho vários estudos sobre ontogênese e a anatomia do xilopódio de plantas do Cerrado e dos campos rupestres. Um novo enfoque sobre a anatomia de sistemas subterrâneos é dado a partir de 1979, quando novamente a Profa. Nanuza inicia uma série de estudos sobre os rizóforos, caracterizando a quarta fase de estudos. A fase V abre uma nova linha de estudos sobre a formação de gemas em raízes de espécies arbóreas florestais brasileiras. No final do capítulo, são descritos sucintamente os estudos sobre anatomia de sistemas subterrâneos e perspectivas para o futuro.

Para finalizar o livro, no capítulo 3 é apresentada a classificação dos sistemas subterrâneos, enfatizando as terminologia apropriadas e as características morfológicas e anatômicas associadas às mesmas.

ISBN: 978-85-66115-56-7


Restauração florestal

BRANCALION, Pedro Henrique Santin; GANDOLFI, Sergius; RODRIGUES, Ricardo Ribeiro
978-85-7975-019-9

A restauração florestal é uma atividade emergente no Brasil e no mundo e que muito rapidamente tem deixado de ser apenas um campo de investigação da Ecologia Aplicada para se tornar uma atividade profissional e econômica. Nesse contexto, a capacitação de recursos humanos para atuar na restauração florestal é necessária e premente. No entanto, por ser uma atividade multidisciplinar e transdisciplinar por excelência, ela traz grandes desafios para que seus profissionais consigam conciliar conhecimentos sobre Ecologia, Botânica, Silvicultura, Ciência do Solo, Economia e Ciências Sociais, entre outros. Em face desse desafio, constata-se grande escassez de obras didáticas que deem suporte para as iniciativas como na extensão universitária.

Diante desse contexto, os principais objetivos deste livro são 1)fornecer informações básicas para que estudantes e profissionais interessados ou já atuantes na restauração florestal possam compreender o histórico e as bases conceituais que sustentam essa atividade no Brail, 2) aplicar esse conhecimento teórico e a experiência prática acumulada na escolha adequada e consciente dos melhores métodos de restauração para cada situação de degradação devidamente diagnosticada no campo, tanto em termos ecológicos como de operacionalidade e de custos, com uma definição adequada e devidamente planejada das ações de restauração, e, ainda, 4) monitorar, com base nos resultados obtidos, a efetividade da escolha dos métodos e da aplicação das ações de restauração, permitindo diagnosticar se a trajetória de restauração está adequada ou se são necessárias ações corretivas ou de manejo adaptativo.

Embora tenha sido escrito por três cientistas, professores e pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), este não é um livro caracteristicamente científico, mas sim um livro técnico, prático, sempre preocupado em sustentar as ações de restauração em fundamentos científicos. Buscou-se neste trabalho fazer reflexões e propor orientações gerais para a restauração florestal no Brasil, sempre atentando para o cumprimento da legislação ambiental, para a sustentabilidade da atividade agropecuária e para o bem-estar da sociedade em geral. Essas reflexões e orientações foram sustentadas na literatura cientifica e sobretudo na própria experiência prática e visão de mundo dos autores.

Os capítulos são ricamente ilustrados, usando imagens do amplo acervo dos autores, acumulado nos seus muitos anos de experiência de campo, implantando, visitando e colaborando com projetos de restauração florestal em todo o Brasil. A intenção dessa ilustração farta foi facilitar a compreensão de conceitos e dos exemplos apresentados, além de tornar o livro mais atrativo para estudantes de graduação e pós-graduação e para profissionais do setor, que são o principal público-alvo deste trabalho. Sendo assim, esta obra se baseou no uso da linguagem mais didática possível, sem fazer a apresentação de inúmeras citações de artigos científicos ao longo do texto, mas recomendando algumas leituras complementares no final de cada capítulo, com o intuito de permitir a complementação e a continuidade do aprendizado do seus leitores. Em cada capítulo, foram também incluídas duas caixas de texto na versão impressa e disponibilizadas outras tantas em versão <i>on-line</i> (em <a href="www.ofitexto.com.br">www.ofitexto.com.br</a>, na página do livro), visando discutir, complementar e ilustrar o conteúdo desses capítulos com base no conhecimento das principais lideranças brasileiras e mundiais em restauração florestal. A valiosa colaboração dessas lideranças certamente constitui um dos principais diferenciais desta obra, pois visa permitir uma aproximação dos leitores com as experiências práticas dessas lideranças, ampliando os horizontes de conhecimento e até de parcerias.

Mas, apesar da contribuição pretendida com este livro, há que se fazer algumas ressalvas. Embora a restauração ecológica possa ser aplicada na recuperação de diferentes tipos de vegetação, o enfoque deste trabalho foi o da restauração de florestas tropicais e subtropicais brasileiras e, portanto, as informações apresentadas nele se referem às florestas, e não às demais vegetações não florestais presentes no Brasil. Para restaurar vegetações que não são florestais, é preciso conhecer muito sobre a dinâmica dessas formações, e, ainda que alguns aspectos aqui discutidos possam se aplicar a outras vegetações, será sempre necessário buscar outras informações, diferentes das que foram apresentadas neste livro, para que se possa construir a base científica necessária que permita pensar e executar adequadamente a restauração ecológica desses outros tipos vegetacionais.

Adicionalmente, a experiência acumulada pelos autores em muitos anos de prática da restauração florestal, expressa na construção desta obra, foi obtida sobretudo em paisagens agrícolas muito fragmentadas, principalmente do Sudeste e do Nordeste brasileiros, que apresentam particularidades e limitações para a expressão da regeneração natural de florestas biodiversas. Diante disso, é provável que haja um viés contextual nas orientações apresentadas, que devem ser sempre refletidas e devidamente contextualizadas na realidade do restaurador antes de serem implementadas. Nesse sentido, esta obra não deve ser entendida como um livro de receitas prontas e acabadas para a restauração de florestas tropicais brasileiras, mas sim como um guia conceitual e prático para a identificação dos processos que definem o sucesso ou o insucesso das iniciativas de restauração florestal e para a orientação, mas não a prescrição, da busca de caminhos mais promissores, que levem a resultados mais satisfatórios.

Por fim, espera-se que este livro contribua com a formação e a atualização acadêmica e profissional dos restauradores florestais atuais e futuros, colaborando assim com o avanço, em quantidade e qualidade, da restauração florestal no Brasil.

ISBN: 

Arquivo(s):

Colheita e Pós-Colheita de Citros

NASCIMENTO, Lenice Magali do; KLUGE, Ricardo Alfredo; AGUILA, Juan Saavedra del
978-85-7984-795-0

O Brasil destaca-se pela alta produtividade de frutos de citros no cenário mundial, embora a sua maior produção ainda seja destinada à fabricação de suco concentrado para exportação. Entretanto, a produção de citros para mesa vem aumentando e se diferenciando em função das novas exigências do mercado consumidor e da atual situação que vêm enfrentando os produtores de citros para a indústria, levando-se em consideração as dificuldades atualmente encontradas por eles na comercialização do suco concentrado. Por esse motivo, muitos produtores estão investindo na produção de frutos de mesa com elevada qualidade, que podem ser comparados com aqueles produzidos pelos principais países produtores desses frutas.

Investir em tecnologias pós-colheita tornou-se uma necessidade para atender às demandas impostas pelos consumidores, cada vez mais exigentes em relação à aparência, sabor e longevidade dos frutos. Assim, este livro buscou sanar parte da enorme carência de informações sobre tratamentos pós-colheita de citros, numa tentativa de levar a esse importante elo da cadeia produtiva os conhecimentos gerados por pesquisadores altamente qualificados e imbuídos na busca por frutos de melhor qualidade e competitivos nos mercados interno e externo de frutas frescas.

Elaborar este livro foi para nós, autores, um grande desafio, mas com o propósito único de sanar as deficiências na literatura com relação à pós-colheita de laranjas, tangerinas e limões.

ISBN: 978-85-7984-795-0


Morfologia da raiz de plantas com sementes

ALMEIDA, Marcílio de; ALMEIDA, Cristina Vieira de
978-85-86481-32-1

O estudo da Morfologia Vegetal abrange a descrição das formas e estruturas dos órgãos constituintes das plantas, oferecendo subsídios para melhor compreender as estratégias adaptativas das mais variadas espécies e seus diferentes habitats. 

É uma Ciência básica da Botânica que fornece dados essenciais para a classificação dos grupos vegetais, as funções de seus órgãos e sistemas, adaptações e biodiversidade, além de prover conhecimentos fundamentais para estudos das formas de propagação das plantas. 

Do ponto de vista evolutivo, é importante destacar que a conquista do ambiente terrestre pelas plantas somente foi estabelecida com a “divisão de tarefas”, sendo o desenvolvimento dos sistemas subterrâneos, responsável não somente por sua fixação ao solo, como também, pela obtenção de água e sais minerais. A arquitetura do sistema aéreo para a captura de luz solar, e consequente síntese orgânica, modificaram gradualmente a sobrevivência das plantas. 

Somente após o desenvolvimento das flores e sementes foi possível a plena conquista do ambiente terrestre, conferindo a grande variabilidade das espécies atuais.

Sendo assim, acreditamos que conhecer as “estratégias adaptativas” dos vegetais, distinguindo as diferenças morfológicas existentes nas mais variadas espécies, nos permitirá compreender os resultados dos processos de seleção natural que garantem a sobrevivência e permanência dos vegetais na Terra.

A Coleção Botânica é resultado de um projeto elaborado desde 2006, onde o objetivo principal é divulgar as informações adquiridas ao longo de nossa carreira de Biólogos, acreditando que compartilhar nossos conhecimentos seja a melhor maneira de nos recompensar por nosso trabalho. Afinal, saber e não divulgar nos tornaria totalmente inábeis.

A Coleção Botânica abordará as estruturas que constituem os vegetais: Raiz, Caule, Folha, Flor, Inflorescência, Fruto e Semente. 

Para sermos eficazes e pensando nessa e nas próximas gerações, publicamos essa Coleção on-line, ponderando que nos dias atuais, a aprendizagem móvel atinge comunidades variadas que envolvem usuários por meio da aplicação de novos ambientes de e-learning. Nossa experiência, somada ao contato diário com estudantes, pesquisadores e empresas Biotecnológicas, nos conduziram ao uso dessa ferramenta de aprendizagem que certamente, ampliará os acessos às nossas informações.

Sendo assim, a Coleção Botânica está disponível gratuitamente para você acessá-la ou imprimí-la parcial ou totalmente, desde que você gentilmente faça a citação bibliográfica dessa obra.

Com a elaboração deste trabalho esperamos enriquecer seus conhecimentos em Botânica.

ISBN: 978-85-86481-32-1

Arquivo(s):

Morfologia do caule de plantas com sementes

ALMEIDA, Marcílio de; ALMEIDA, Cristina Vieira de
978-85-86481-33-8

O segundo volume da Coleção Botânica descreve outra estrutura vegetativa, o caule, órgão que permite a comunicação entre os sistemas: radicular e foliar, responsável por sustentar a copa constituída pelos ramos e folhas.

Os caules, geralmente são aéreos e sua forma arquitetônica permite que as plantas assumam posição privilegiada em relação à luz. Seu crescimento é oposto à força da gravidade, e em função disso, são caracterizados como órgãos que apresentam geotropismo negativo.

Todavia, como tudo na natureza, essa característica não é uma regra, uma vez que inúmeros são os exemplos de caules subterrâneos, ou mesmo aéreos, que apresentam geotropismo positivo. Assim como na raiz, você verá que o caule pode desempenhar funções extras como reserva, propagação e fotossíntese.

Para facilitar seu estudo usaremos o mesmo método de classificação e caracterização dos caules, como o fizemos em raízes (Coleção Botânica, 1), seguindo uma ordem de acordo com sua origem, constituição, alterações que apresentam nos diferentes ambientes e suas principais funções.

Esperamos auxiliá-lo com essas informações básicas, assim como o fizemos com o tema Raiz.

Excelente leitura para você!!!!!

ISBN: 978-85-86481-33-8

Arquivo(s):

Páginas